segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Poesia Lacrimal

Ao traçar esses versos sinto uma vontade imensa de chorar
Chorar todos os mares do mundo, submergir o próprio fundo
Há nuvens brancas e mágoas suficientes para tal feito dentro de mim.

Mas não consigo!
Não é justo!
Logo eu que canto tanta tristeza e solidão.

O choro se revela na minha escrita
E as lágrimas deitando-se estão agora neste papel
Traçando
Cantando
Chorando
Chorando o poema
O poema que minhas mãos suam
Suam pro mar
Soam pro vento
No seu movimento
Movimento da pena
De pena
Que meus olhinhos
Aqui de cima ficam a observar
Com pena por não chorar
Como os outros choram.

Agora anoitece
As lágrimas se deitam por inteiro no papel
Apago a luz
Elas querem dormir
E o poema, por hora,
(até que vosso poeta se recupere)
Retirar-se-á.

2 comentários:

  1. Esse poema me tocou como a muito tempo nada me tocava.Não por fora, mas por dentro.



    Ana Paula Cainelli

    ResponderExcluir
  2. esse é mt bom! toca o coração!!!!!!!

    ResponderExcluir