sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Mudança

A mudança muda, estranha
E inunda de insegurança
a cabeça de uma criança

O pesadelo irá te acordar
Se você deixar e se assim for
Sopre pra longe o que te acordou

O caminhão está chegando
Encaixote tudo, o máximo que puder
E decore a nova casa
Com o prazo que tiver!

Compre um cachorro de verdade
Daqueles que duram até a terceira idade
Abra uma poupança pros seus filhos
Pra faculdade, pros livros

Abra o jornal, passe o café 
Mergulhe na grama os seus pés
Escreva um livro,
Leve seus netos ao estádio todo domingo

O avião está chegando
Encaixote tudo, o máximo que puder
E decore a nova casa
Com o prazo que tiver!

Luminária

Ilumina o pergaminho no fundo da sala escura
Co’ lamparina límpida que reluz
O anel de Zapata e a porta que bate sozinha
Fala para o corredor das almas ansiosas
A vinda do lustre e da cera
A leitura será feita em breve
Pois o assoalho anuncia o regresso do velho ancião.

Renasce pássaro noturno
Canta boas vindas para o anoitecer
Queima teu óleo e ilumina
O alvorecer que envelhece
E o vento ventou lá no sul...

Na enseada de corredores de madeira
Quem irá lustrar o teu chão?
Quem seguirá esse caminho?
Não há nada para ser visto

E na enseada de corredores de madeira
Quem irá lustrar o teu chão?
Quem seguirá esse caminho?
Não há nada para ser visto
Não há nada para ser visto.