sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Café

Café frio encima da mesa
E cigarros para a sobremesa
Hoje não acendi nenhum
Sem filtro, eles matam, um a um...

Esta noite me lembrei de você
Perdi a fome decidi não comer
E fazer do meu corpo uma metrópole
Respirando todo o ar/aço sujo, dessa cidade...

Mas primeiro preciso terminar esse café
Que amargo (não coado) desse frio aos lábios
E de olhos fechados parece a tua boca
Que me lembra o gosto do teu beijo, tártaro amargo
Asfalto.

E dá lágrima doce que rolou, viajou e caiu...
Quente.



segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Fotografia


Pare para que eu te mire
E a imagem não fique tremida
Sei que tu antes da retina vives
A beijar os cílios que dançam ao vento como fita

Luz fractal, densa, aurora boreal
Não posso te perder mais uma vez
É decepção de ser anjo sem asas
Fotografia que necessita voar pra ser revelada

Caminho aberto, morro agora
Senhorita da noite está a me esperar
Com a sua foto na lua
Pra quando eu chegar

Fotografia tirada...Ah! Fita amada!
Voa...Voa...Voa que eu te peço,
Na próxima vida eu revelo
O amor já revelado, nessa estrada.