domingo, 30 de agosto de 2009

Café Expresso


Parede branca encima do preto
Da última semana
Algodão doce encima do que a gente
Não entende
O que a gente sente?
Sinta
Não sinto o inverno
Não sente o que eu sinto?
Não sinta
Não sinto o inverno  

Troco janta por café da manhã
Combino a cor da xícara com a cor das manhãs
Corretivo no tinteiro colore o dia inteiro
Descolore o colírio da tua gusta no verso
Café expresso

Obra de arte?
Não mais que preciso
Pintando o tempo presente
Encima do pronome esquecido
Açúcar na boca
Faz tudo ficar doce
E o paladar desse verso
Café expresso

Nenhum comentário:

Postar um comentário